Durval Discos é uma produção brasileira de boa qualidade!

by

 

 

     O roteiro, escrito pela também diretora Anna Muylaert, é, sem dúvida, o fator decisivo desta obra. A estória conta a vida de Durval, um malucão, que vive com sua mãe e é dono de uma loja de Long Plays (LP), ou melhor, o eterno Vinil. Cansado da comida de sua mãe, Durval insiste em contratar uma empregada, o que acaba acontecendo. Letícia Sabatella interpreta a empregada, que após alguns dias de trabalho sai e deixa uma menina de 5 anos na casa. A partir daqui acontecem muitas reviravoltas no roteiro, de altíssima qualidade, e caso eu aprofunde mais esta sinopse poderá estragar o prazer de ver o filme.

     A direção de Mulayert não foge dos característicos bons filmes brasileiros, sendo que se percebe nitidamente a sua personalidade. Os momentos descontraídos do roteiro são muito bem filmados, sempre com boas músicas brasileiras. Além disso, a direção transpira pura apreensão, que se revela uma qualidade vista somente em bons filmes.

     Outro aspecto brilhante do filme é o trio interpretativo. Ary França, num papel sensacional, encarna a pele do protagonista Durval. Etty Fraser, que na minha opinião ofusca os demais atores no absolutamente perfeito e incrível papel da mãe de Durval, faz poucas e boas durante o filme todo, fazendo-nos relembrar muito às nossas avós, pelo menos a minha sim. Por fim, a menina é vivida por Isabela Guasco, que dá um certo de tom de magia à estória com sua presença carismática. Além dos principais atores, Marisa Orth e Letícia Sabatella completam o elenco de famosos.

     A trilha sonora, como o próprio nome do filme já indica, é recheada de sons ao bom e velho Vinil, com músicas de clássicos da nossa Música Popular Brasileira, tais como o eterno Jorge Ben, Tim Maia, Luiz Melodia, entre outros. Rita Lee faz uma participação especial ao ir à loja comprar um disco de Caetano Velloso.

     Resumindo, Durval Discos é um baita filme brasileiro, isso mesmo, baita filme e ainda brasileiro. Nós, como espectadores, devemos apreciar mais o cinema nacional, que é riquíssimo artisticamente, e que se exemplifica com este belo trabalho de Anna Muylaert, vencedor dos Kikitos do Festival de Gramado de Melhor Filme, Direção, Roteiro, entre outros.

     Tudo na vida tem um lado A e um lado B!

     Avaliação: 7,5

Ficha técnica:

Durval Discos (2002)
Diretor:
Anna Muylaert
Roteiro: Anna Muylaert
Elenco: Ari França, Etty Fraser, Isabela Guasco, Marisa Orth, Letícia Sabatella, André Abujamra, Theo Werneck, Rita Lee, …
Duração: 96 minutos
Distribuição: Riofilme
Site oficial: http://www2.uol.com.br/durvaldiscos


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: